Folha de Búzios

Jornalismo como deve ser

Cultura

Projeto ensina arte da cerâmica a mulheres do Quilombo Baía Formosa

Fomentar a representatividade, a liberdade e a independência das mulheres moradoras das comunidades quilombolas; estimular o potencial criativo; capacitá-las à pesquisa, criação e venda das peças e apoiar na complementação da renda.

Estes são alguns objetivos do projeto “Somos divas na luz do candeeiro”, desenvolvido pelo Instituto Carlos Scliar, em parceria com a Prolagos, que oferece oficina de cerâmica a mulheres do Quilombo Baía Formosa, em Armação dos Búzios.

Cumprindo as novas regras de convivência para evitar a propagação do novo coronavírus, com distanciamento, uso de máscaras e álcool em gel, elas se reúnem no jardim da Casa Scliar, em Cabo Frio, onde aprendem modelar a argila, pintar, queimar e inserir ilustrações que tratam sobre a cultura afro-brasileira.

“Com a pandemia, precisamos nos adaptar para continuar próximos das comunidades, afinal, esta é uma das funções de um espaço cultural. O principal objetivo deste projeto é auxiliar na geração de renda neste período que mudou a realidade de muitas famílias, em especial, as chefiadas por mulheres”, explica Cristina Ventura, coordenadora da Casa Scliar e idealizadora do “Somos divas na luz do candeeiro”.

Além de colocar literalmente a mão na massa de argila, as alunas fazem uma imersão no universo da cultura, participam de discussões sobre patrimônio histórico nacional, arte e têm acesso ao curso Exercitando a Mentalidade Financeira, oferecido pela Academia Aegea, plataforma de educação corporativa da Aegea, grupo do qual a Prolagos faz parte.

“A Prolagos tem como propósito melhorar a qualidade de vida da população onde atua, e, através dos programas de Responsabilidade Social, desenvolve ações voltadas a impactar positivamente o índice de desenvolvimento humano (IDH) dos municípios, em três frentes: saúde, educação e geração de renda. O que nos surpreende é ver em tão pouco tempo como um pequeno estímulo traz às participantes a eclosão de habilidades e atitudes criativas, sustentáveis e empreendedoras”, comenta Francine Melo, coordenadora e Responsabilidade Social da Prolagos.

Logo no primeiro encontro, as alunas vislumbraram a possibilidade de gerarem mais valor para as atividades que desenvolvem no quilombo por meio do turismo étnico ecológico, que atrai visitantes de diversos lugares do mundo. A associação promove um circuito de atividades de resgate da história e da cultura tradicional com trilhas e passeios em pontos turísticos de Búzios, como Mangue de Pedra, Ponta do Pai Vitório, Praia da Gorda, apresentações de música, de danças folclóricas e exposição do artesanato produzido pela comunidade. Para finalizar, os visitantes saboreiam um almoço e participam de uma experiência sobre a cozinha quilombola, degustando pratos típicos da culinária local.

A possibilidade de produzir os próprios utensílios foi muito comemorada pelas participantes. “Este projeto reforça a nossa própria história, pois quando criança usávamos lamparina em casa. Além disso, a oficina de cerâmica veio ao encontro aos nossos anseios, pois já queríamos trabalhar com a argila para produzir pratos, travessas e panelas para usarmos na nossa cozinha e agregar mais valor ao trabalho. Em breve, poderemos produzir os pratos onde serviremos a comida que fazemos e os visitantes ainda poderão leva-los como lembrança”, idealiza Elizabeth Fernandes, presidente da Associação dos Remanescentes do Quilombo de Baía Formosa.

O projeto “Somos Divas na Luz do Candeeiro” faz parte das comemorações do centenário de nascimento do pintor Carlos Scliar, patrono da casa museu, que representou a luminária rudimentar em diversas peças. As divas, nesta edição, são Cássia da Conceição, Eliza Fernandes, Elizete Antunes, Esília Pereira, Elizabeth Fernandes e Valquíria da Conceição. “São heroínas anônimas cujo superpoder consiste numa força imensurável para enfrentar inúmeros desafios diários, mesmo tendo sido privadas de muitos dos direitos e garantias fundamentais”, acrescenta Francine Melo.

A ação afirmativa visa dar projeção à história e cultura quilombola e está alinhada ao programa de diversidade e igualdade racial Respeito Dá o Tom, desenvolvido pela Prolagos e todas as empresas do grupo Aegea. Ao final das oficinas, as participantes receberão equipamentos e ferramentas para darem continuidade à fabricação das peças em suas casas e poderão utilizar o forno da instituição para finalizar a produção.

Da redação.

%d blogueiros gostam disto: