Folha de Búzios

Jornalismo como deve ser

Cidade Colunistas Cultura

Búzios, 1959: “Há uma terrível epidemia no terceiro distrito” – diz vereador

Trecho do livro que estou trabalhando sobre Búzios antes de Brigiite Bardot

[…] Desprovida de qualquer estrutura de saúde, Búzios dependia de Cabo Frio, município-mãe, para suprir as demandas na saúde. Sem uma representação local do Poder Executivo, cabia ao vereador eleito pelo distrito intermediar junto à prefeitura as necessidades do povoado. Nos final dos anos de 1950, Búzios contava com dois representantes na Câmara de vereadores de Cabo frio, o vereador Jorge Paulo da Silva e Geminiano José Luiz — ambos buzianos — mas rivais políticos. Não obstante, Búzios enfrentava um grave surto de poliomielite que causou mortes e sequelas nas crianças da comunidade; segundo as palavras do vereador Geminiano José Luiz registradas em atas da Câmara Municipal, havia “uma terrível epidemia no terceiro distrito” e era urgente que a prefeitura disponibilizasse a *vacina “Salk” para aplicação nos recém-nascidos.
Sabe-se pelos registros da Câmara de Cabo Frio, nas palavras do presidente, à época, Jandyr Alves Cravo, que havia 200 doses da vacina disponíveis num posto de Saúde de Cabo Frio. Búzios contava com dois pequenos postos de saúde: um no bairro Rasa, outro em Manguinhos,  onde atualmente está a Escola José Bento Ribeiro Dantas. Ambos funcionavam precariamente, muitas vezes sem profissionais e sem insumos. Diante desse quadro, outras causas de mortalidade de adultos e crianças eram desconhecidas, e a ausência de médicos fazia com que as pessoas recorressem às “benzedeiras”. Muitas pessoas adoeciam e morriam sem que a doença ou sua causa fossem identificadas, e por absoluto desconhecimento, diziam ser por morte “natural”. 

* A vacina Salk antipólio foi criada pelo médico americano Jonas Salk em 1953. A vacina combate o vírus que causa a paralisia e afeta principalmente crianças.

Por Alan Câmara

%d blogueiros gostam disto: