Folha de Búzios

Jornalismo como deve ser

Cidade

Primeira vítima confirmada de Covid-19 em Búzios relata dificuldades com os sintomas e faz apelo ao povo buziano

Primeira vítima confirmada de Covid-19 em Búzios relata dificuldades com os sintomas e faz apelo ao povo buziano

Maicon Sant’ana tem 26 anos, é técnico em laboratório, morador do Cruzeiro da Rasa e não tem doença crônica. No início do mês de abril, ele foi o primeiro caso confirmado de Coronavírus no balneário.

Recuperado da doença, Maicon enfrentou o Covid-19 ao lado da esposa, que também contraiu o vírus. Ele participou de uma entrevista exclusiva com a reportagem do Folha de Búzios e falou sobre a experiência “que não deseja a ninguém”. Confira o relato de Maicon abaixo:

  • Quando você começou a sentir os sintomas da doença?

“Eu comecei a sentir os sintomas no dia 3, numa sexta-feira. Mas nada demais, dor de cabeça e dor no corpo, pensei que fosse uma gripe comum. Na segunda-feira, eu passei mal e, na terça, eu procurei um médico, fui no postinho de São José. O médico fez alguns exames de sangue e disse que eu estava com sintomas de Coronavírus”

  • E qual foi o procedimento depois de descobrir que estava com sintomas de Covid-19?

“Nesse dia mesmo, depois de fazer todos os exames, já fiquei isolado em casa. No isolamento domiciliar, comecei a sentir dificuldade para respirar. Na quinta-feira, o médico pediu pra que eu fizesse uma tomografia. Eu saí de casa com máscara e luva, fui de carro. Passei no posto de São José pra pegar o pedido e fui fazer a tomografia. Foi o único dia em que eu saí de casa. Fui direto para o hospital, o Dr. Guilherme viu minha tomografia, disse que eu estava bem, mas me mandou ficar em casa. Meu resultado saiu na segunda-feira, tinha dado positivo para Coronavírus”

  • Depois que seu caso foi confirmado, a Prefeitura de Búzios chegou a publicar uma nota dizendo que você estava descumprindo o isolamento domiciliar e, por isso, foi enviado para o isolamento hospitalar. Isso é verdade?

“Isso foi mentira. Estávamos cumprindo o isolamento domiciliar, sim. Fomos para o hospital pois minha esposa estava sentindo dificuldade para respirar. Foi por causa disso. Não foi por descumprir o isolamento, totalmente diferente do que saiu na nota”

  • E como foi feito o monitoramento enquanto você e sua esposa estavam em isolamento domiciliar? E como foi o atendimento quando foram ao hospital?

“A equipe que veio aqui em casa com o resultado foi muito atenciosa. Começamos com a medicação no mesmo dia. No hospital, a equipe também foi excelente, não tenho nenhuma reclamação. Fomos super bem atendidos. Foi até um psicólogo pra conversar com a gente. Um atendimento de primeira mesmo. A médica chegou a fazer vídeochamada quando a gente estava em isolamento domiciliar”

  • E quais foram os principais sintomas que você sentiu? É realmente muito ruim?

“Posso garantir que não é só uma gripe. Foi um momento muito ruim e você acaba vendo pessoas que não passaram por isso falando muita besteira. É horrível! Muita dor no corpo, uma dor de cabeça insuportável. Eu não consegui dormir em algumas noites de tanta dor no corpo. A dor nas pernas era muito forte mesmo. Teve um momento em que eu não conseguia ver televisão, a claridade da tv me dava dor na vista. É horrível, muito ruim mesmo”

  • Agora você está recuperado da doença? Você e sua esposa já voltaram para casa?

“Agora estamos bem, sem sintomas. Estou 100% recuperado. O dr.Cláudio já me liberou para voltar à rotina, ao trabalho. Se tiver que ir na rua, já posso ir. A minha esposa ainda vai ficar em isolamento domiciliar, já que ela ficou doente depois de mim. Eu até brinquei com o médico dizendo que já estou imune. Estamos bem, graças a Deus”

  • Como você acha que vai ser o seu retorno ao trabalho depois de passar por toda essa situação?

“Eu sou técnico de análises clínicas, trabalho com laboratório, coleta de sangue. Acho que vai acabar tendo um pouco de discriminação com quem teve a doença. Eu já estou liberado para trabalhar, mas, na minha opinião, vai ter discriminação na hora de atender outros pacientes. Esse é meu ponto de vista”

  • Agora que já está recuperado, com saúde e em casa, gostaria de fazer algum agradecimento?

“Queria fazer um agradecimento ao pessoal da guarda, que estava sempre me mandando mensagem. Agradecer ao pessoal do postinho de saúde, da saúde em geral do município também. Agradecer a todos que me mandaram mensagens positivas. Agradecer ao pessoal do jornal Folha de Búzios, ao Bebeto que é meu vizinho e estava sempre mandando mensagem também”

  • Pra gente finalizar a entrevista, deixa aí um recado para a população buziana.

“O recado que eu tenho a dizer é que não é uma gripezinha. Usem máscara! Quem puder ficar em casa, fique! A gente sabe que é muito difícil por causa da economia. Tem muita gente que está passando dificuldades com trabalho, com falta de alimentos e com tudo mais. Mas, se forem ter que sair, tomem cuidado. Lavem bem as mãos. É uma doença muito ruim que eu não desejo a ninguém”

Por Juan Rodriguez

%d blogueiros gostam disto: