Folha de Búzios

Jornalismo como deve ser

Geral

Confirmado primeiro caso de coronavírus em Niterói

O paciente, de 27 anos, é morador da cidade e esteve no exterior no início deste mês

De acordo com a Secretaria de Estado de Saúde, não há transmissão ativa do vírus no Rio de Janeiro e os casos confirmados são importados do exterior

De acordo com a Secretaria de Estado de Saúde, não há transmissão ativa do vírus no Rio de Janeiro e os casos confirmados são importados do exterior

Divulgação

O paciente, de 27 anos, é morador da cidade, esteve no exterior, foi atendido em um hospital particular e no momento está em isolamento domiciliar e passa bem. A Fundação Municipal de Saúde de Niterói está acompanhando o caso.

De acordo com a Secretaria de Estado de Saúde, não há transmissão ativa do vírus no Rio de Janeiro e os casos confirmados são importados do exterior.

A Prefeitura de Niterói monitora todos os casos suspeitos do novo coronavírus (vírus SARS-CoV-2) junto à Secretaria de Estado de Saúde e seguindo os protocolos do Ministério da Saúde. Niterói possui um plano de contingência para a Doença pelo coronavírus 2019 (COVID-19). Desde o aparecimento dos casos na China, o município antecipou-se e criou um grupo de resposta rápida para assuntos relacionados à doença, com objetivo de garantir todos os cuidados e assistência necessária para os casos que possam surgir.

Nos casos suspeitos, a equipe de resposta rápida orienta e acompanha o paciente, faz o monitoramento da família e de todos que tiveram contato, colhe amostras e envia para o laboratório estadual referência para o diagnóstico ou descarte da doença. Caso o diagnóstico seja confirmado, a FMS acompanha o tratamento e o isolamento do paciente e monitora todos que tiveram contato com ele.

Três pacientes já tinham sido confirmados. Na última segunda-feira, além do caso de Niterói, a Secretaria Estadual de Saúde confirmou mais quatro casos  do Covid-19. Com isso, o número passou de três casos confirmados para oito no estado. Os novos pacientes são três homens (de 27, 42 e 70 anos) e duas mulheres (de 56 e 61 anos), que residem em Niterói (1) e Rio de Janeiro (4). Todos estão em isolamento domiciliar e apresentam estado de saúde estável.

Os pacientes retornaram de viagens à Europa, entre os dias 3 e 5 de março, com passagem por países como Itália, Portugal, Espanha, Suíça, Holanda, Israel, Egito e Grécia, apresentando febre, tosse e mialgia, entre outros sintomas. Quatro deles recorreram à rede de saúde particular e um recebeu atendimento médico domiciliar.

“Reforço que, até o momento, continuamos sem transmissão ativa do vírus no Rio de Janeiro. Os casos confirmados até agora são importados do exterior. Permanecemos no Nível Zero do nosso plano de contingência. Alerto a população para os cuidados para prevenir o contágio, como higienizar as mãos com frequência e evitar levá-las ao rosto”, explica Edmar Santos, secretário de Estado de Saúde.

Orientação

A Fundação Municipal de Saúde vem adotando uma série de medidas que visam a orientação sobre como evitar o contágio e atender de forma correta e humanizada casos suspeitos do novo coronavírus. Dentre as ações, estão capacitações para os servidores dos hospitais, policlínicas e unidades básicas de Saúde e ainda o alinhamento de fluxo de atenção a casos suspeitos.

Além do suporte médico, a Fundação está emitindo orientações por meio de salas de espera nas unidades de Saúde e redes sociais. Será distribuída uma cartilha para todas as unidades da Saúde, Educação e demais prédios públicos do Município com orientações sobre como agir em casos suspeitos.

A recomendação da FMS não só para o novo coronavírus, mas para toda e qualquer infecção respiratória, é de que as pessoas lavem as mãos com água e sabão frequentemente ou usem álcool gel, evitem aglomerações, cubram a boca com o braço ao tossir ou espirrar e evitem tocar os olhos nariz e boca com as mãos.

A população pode procurar a unidade de mais próxima de sua residência para atendimento.

Plano de contingência

No mês passado, a SES elaborou e definiu um plano de contingência para enfrentar uma possível epidemia de coronavírus no Estado do Rio.

O plano tem a intenção de sistematizar ações e procedimentos de responsabilidade da esfera estadual de governo. Os demais níveis de acionamento (um, dois e três) são organizados de acordo com parâmetros epidemiológicos, como números de casos.

O primeiro objetivo estratégico do plano de contingência é intensificar medidas de segurança para conter a transmissão humano a humano, incluindo as infecções secundárias entre pessoas próximas e profissionais de saúde.

Caso uma pessoa apresente sintomas e sinais de doenças respiratórias, ela será identificada imediatamente, isolada e atendida da forma como preconizam a OMS e o Ministério da Saúde.

Casos notificados X casos suspeitos

Notificados – Ainda não é considerado como caso suspeito, já que depende de avaliação de critérios definidos pelas autoridades sanitárias.

Suspeitos – Caso atende aos critérios das autoridades e será confirmado ou descartado com base em análise laboratorial.

Organização da resposta a um possível surto

– Nível Zero – Casos importados notificados ou confirmados.

– Nível de Ativação 1 – Transmissão autóctone de Coronavírus no estado do Rio de Janeiro.

– Nível de Ativação 2 – Transmissão sustentada na Região Metropolitana do Estado do Rio de Janeiro.

– Nível de Ativação 3 – Quando as ações e atividades orientadas para serem realizadas no Nível 2 de ativação forem insuficientes como medidas de controle e para a organização da rede de atenção na resposta. E, ainda, quando a rede de atendimento definida for incapaz de atender à demanda. Caso o surto chegue a esse nível, além de todas as unidades citadas anteriormente, será criado pela Secretaria de Estado de Saúde um hospital de campanha e as Forças Armadas serão acionadas. Haverá ainda a utilização de leitos em unidades especializadas, com a suspensão de cirurgias eletivas.

Medidas de prevenção

– Proteger nariz e boca ao espirrar ou tossir
– Não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres e copos
– Lavar frequentemente as mãos, especialmente após espirrar ou tossir
– Utilizar álcool em gel nas mãos

O que fazer em caso de suspeita

Se estiver com febre ou sintomas respiratórios e tiver vindo de países com casos de coronavírus:

– Cubra o rosto com máscara cirúrgica
– Vá à unidade básica de saúde, hospital de emergência ou à UPA mais próxima
– Siga as orientações dos profissionais de saúde
– Siga as medidas de prevenção: lave as mãos frequentemente, cubra o rosto ao tossir e espirrar, não compartilhe objetos de uso pessoal, evite locais de grande aglomeração, utilize álcool em gel para as mãos

Fonte: O Fluminense

%d blogueiros gostam disto: