Folha de Búzios

Jornalismo como deve ser

Região dos Lagos

Cabo Frio, RJ, suspende atividades turísticas, voos e impõe limite de funcionamento no comércio devido ao coronavírus

Medidas foram incluídas no decreto publicado pela Prefeitura passam a valer a partir desta segunda-feira (16). Diversas atividades serão suspensas por 30 dias.

Apesar de suspensão de atividades turísticas e decreto que proíbe aglomerações, alguns banhistas foram à Praia do Forte nesta segunda-feira (16) em Cabo Frio, no RJ — Foto: Paulo Henrique Cardoso/G1

Apesar de suspensão de atividades turísticas e decreto que proíbe aglomerações, alguns banhistas foram à Praia do Forte nesta segunda-feira (16) em Cabo Frio, no RJ — Foto: Paulo Henrique Cardoso/G1

A Prefeitura de Cabo Frio informou nesta segunda-feira (16) que acrescentou medidas mais severas no decreto que foi publicado na semana passada para tentar conter a transmissão do novo coronavírus.

De acordo com o município, diversas atividades estarão suspensas por 30 dias, a partir desta segunda-feira.

Entre as medidas estão: a alteração no horário de funcionamento do comércio e a suspensão de atividades turísticas e voos.

Ônibus e vans de turismo estão proibidos de entrar e circular na cidade. A medida também foi adotada pela Prefeitura de Arraial do Cabo.

As aulas no município já haviam sido suspensas de acordo com o decreto publicado no sábado (14).

Bares, restaurantes, casas de show, casas de festas, quiosques, trailers e similares poderão funcionar até as 22h.

Os estabelecimentos com mesas e cadeiras deverão respeitar o espaço de um metro entre eles.

Apesar dos decretos municipal e estadual proibindo aglomerações em locais fechados e públicos, alguns banhistas foram à Praia do Forte na manhã desta segunda-feira. (foto acima)

Entre as medidas adicionadas no decreto de Cabo Frio estão:

  • suspensão dos passeios no terminal de barcos do Boulevard Canal;
  • fechamento do píer do Terminal de Transatlânticos e suspensão do receptivo de embarque e desembarque dos navios;
  • suspensão dos voos comerciais no Aeroporto Internacional de Cabo Frio;
  • proibição da entrada e circulação de ônibus de excursão, micro-ônibus, vans e similares inclusive para as modalidades day use e city tour;
  • encerramento das atividades de bares, restaurantes, casas de show, casas de festas, quiosques, trailers e similares às 22h. Os estabelecimentos com mesas e cadeiras deverão respeitar o espaço de um metro entre eles;
  • suspensão do serviço de trenzinho infantil;
  • fechamento dos museus, espaços culturais e afins;
  • setor de hospedagem: não aceitar reserva de estrangeiros e caso receba hóspedes advindos de locais com casos confirmados de Covid-19 preencher termo próprio de responsabilidade e questionário de saúde, contendo as informações necessárias ao sistema de saúde local;
  • suspensão das férias dos profissionais de saúde;
  • criação de uma linha 0800 na saúde para informações.

A Secretaria de Meio Ambiente suspendeu por 15 dias as reuniões dos órgãos ambientais que estavam programadas para este mês.

Segundo a Prefeitura estão cancelados os encontros do Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente, que aconteceria nesta terça-feira (17), e do Conselho Gestor do Parque Natural Municipal Dormitório das Garças, que ocorreria no dia 24.

As novas datas serão divulgadas pelo município assim que possível.

O prefeito Dr. Adriano ressaltou que as medidas são de precaução e não há necessidade de pânico.

“Hábitos simples de higiene são as melhores formas de prevenção da doença como lavar bem as mãos com água e sabão ou utilizar álcool em gel, cobrir o nariz e boca ao espirrar ou tossir, não compartilhar objetos pessoais, evitar aglomerações e manter os ambientes ventilados”, disse o prefeito.

Ainda segundo o município, as medidas atendem à Lei Orgânica Municipal, à Constituição da República e são amparadas pelas diretrizes estabelecidas pela Organização Mundial da Saúde (OMS), Ministério da Saúde e Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro.

O decreto publicado no sábado estipula medidas como:

  1. isolamento;
  2. quarentena;
  3. exames médicos;
  4. testes laboratoriais;
  5. coleta de amostras clínicas;
  6. vacinação e outras medidas profiláticas; ou
  7. tratamentos médicos específicos;
  8. estudo ou investigação epidemiológica;
  9. requisição de bens e serviços de pessoas naturais e jurídicas, hipótese em que será garantido o pagamento posterior de indenização justa.

Fonte: G1

%d blogueiros gostam disto: