Folha de Búzios

Jornalismo como deve ser

Colunistas

Rio, prepare-se! A libertadores vem aí…

Hamilton Vasconcelos é Presidente da Comissão de Turismo da OAB

Com a final da Libertadores de 2020 marcada para o Maracanã pela Conmebol, uma grande expectativa já se espalha entre o trade turístico do Rio de Janeiro. As possibilidades que o evento oferece são enormes. Qual o time que estará na final? Bem, isso importa, sim, afinal torcemos pelos nossos representantes. Entretanto, se existe uma característica que devemos destacar neste tipo de atividade é que ela sempre é positiva, independentemente dos oponentes. A influência dos representantes se dá no quantitativo dos ganhos em negócios, conforme o tamanho das torcidas e da distância em que estão de suas sedes. Como um bom exemplo podemos citar a decisão realizada este ano, entre Flamengo e River, no Peru, que levou algumas centenas de torcedores brasileiros e argentinos à capital peruana.

Os ganhos podem ser contabilizados desde o anúncio da escolha da Conmebol. A partir deste momento o destino de viagem (a sede da final) passa a ser divulgado por veículos de comunicação da América e de todo o mundo. Além disso, as agências de viagens incluem o evento em seus portfólios. Assim, as belezas e oportunidades de passeio do local, neste caso, do Rio de Janeiro, já começam a ser cantadas muito antes dos gritos nas arquibancadas.

Só para termos uma ideia do potencial de divulgação, vale registrar que a decisão deste ano, em Lima, foi vista em 170 países. Os jornais, revistas, TVs e informativos digitais, sempre fazem ampla cobertura antes da partida. Mostram a cidade, a hospitalidade, as oportunidades e as entrevistas com os torcedores. Além disso, pensem nas milhares de fotografias que os torcedores espalharam via internet, propagando o destino mundo afora.

Para aqueles que gostam de discutir ganhos concretos, de escutar o barulhinho das caixas registradoras ou das maquininhas de cartões, vale lembrar dos depoimentos de comerciantes peruanos divulgados pela mídia. Os registros contam que as vendas foram além do esperado, houve quem lamentasse não ter se preparado melhor.

A estimativa de gastos para os torcedores do Flamengo era de cerca de R$ 700 por dia. A dos argentinos de R$ 300. Não tenho o número total de torcedores que compareceram, porém, com certeza foram muitos, assim como os pacotes de turismos comprados por turistas para conhecer a região, aproveitando a visita. Além disso, tenho que lembrar que quanto mais distante for um destino, maior será a estadia e consequentemente os gastos ou ganhos para o Rio, neste caso.

A questão, no entanto, não é apenas o evento do próximo ano, mas o tratamento que damos a esse tipo de turismo. Ainda somos fracos nisso. Flamengo e Athlético Paranaense decidiram a Supercopa do Brasil em Brasília. Não houve nenhuma divulgação de Brasília nos Estados do Paraná e no Rio de Janeiro para atrair turistas. O estádio cheio ! Mas de turistas ou moradores ?

Tudo que já foi dito pode ser reproduzido, guardando suas devidas escalas, para os outros campeonatos. Vale para o Estadual, para a Copa Brasil, Supercopa do Brasil, o Brasileirão, Recopa Sulamericana e para a Copa Sul-americana. Assim, proponho que todo o trade turístico e os agentes públicos, façam uma boa reflexão sobre tema, que evoluam neste segmento, pois quem ganha é o Turismo do Rio de Janeiro e do Brasil.

%d blogueiros gostam disto: