Folha de Búzios

Jornalismo como deve ser

Fala Búzios

Wagner Montes morre no Rio, aos 64 anos

Wagner Montes morreu neste sábado, aos 64 anos. Nascido em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, o jornalista e político era formado em Direito pela Universidade Gama Filho e estava internado no Rio para tratamento de uma infecção urinária.

A família de Wagner Montes está em contato com o cerimonial da Alerj para definir o horário do velório, que deverá ser realizado neste sábado. Já o sepultalmento deve acontecer no domingo.

Wagner ganhou notoriedade ao apresentar noticiários policiais, de cunho popular, no rádio e na televisão. Com pitadas de humor, adotava o bordão “escraaacha”. Em 2018, foi eleito deputado federal pelo PRB com 65.868 votos para um mandato que iria até 2022. Ele já havia atuado como deputado estadual de 2007 a 2018, passando também por partidos como PDT e PSD. Nas Eleições de 2010, obteve 528.628 votos, tendo sido o candidato mais votado.

Montes começou sua carreira como jornalista em 1974 na Super Rádio Tupi e, em 1979, tonou-se apresentador do programa “Aqui e Agora”, da TV Tupi. Ele também trabalhou por 17 anos no SBT, emissora na qual participou de programas como “O Povo na TV” e como jurado do “Show de Calouros”. Ele atuou ainda nas rádios Record e América, em São Paulo, e na Manchete, no Rio, e também na Rede CNT.

Em 2003, migrou para a TV Record e apresentou os programas “Verdade do Povo”, “Cidade Alerta Rio”, “RJ no Ar” e “Balanço Geral”, todos com foco no Rio de Janeiro. A boa audiência do “Balanço Geral” fez com que o programa fosse replicado em quase todos os outros estados na grade da emissora. Nas eleições de 2006, Montes se afastou da TV para concorrer a uma vaga na Assembleia Legislativa do Rio. Foi o terceiro mais votado, na ocasião pelo PDT, com mais de 100 mil votos. Em fevereiro de 2007 inaugurou a coluna semanal “Escraaaacha!”, publicada às sextas-feiras no jornal “Meia-Hora”.

Primeiro vice-presidente da Alerj na legislatura que foi de 2015 a 2018, Montes chegou a presidir o parlamento fluminense na ausência de Jorge Picciani (MDB), ex-presidente da Casa que está em prisão domiciliar. Montes, porém, não chegou a se manter na presidência por motivos de saúde e, com isso, o comando do parlamento fluminense acabou caindo nas mãos de André Ceciliano (PT), segundo vice-presidente.

Em de novembro de 1981, Montes sofreu um acidente com um triciclo e precisou amputar a perna direita. Para se locomover, usava uma prótese. Montes deixa a mulher, Sônia Lima, e dois filhos – um, fruto do relacionamento com Sônia; outro, fruto de um relacionamento com a Miss Brasil de 1983, Cátia Pedrosa.

Fonte Jornal Extra / Paulo Capelli/ Geraldo Ribeiro e Saulo Pereira Guimarães

%d blogueiros gostam disto: